sábado, 30 de maio de 2015

ÍCARO CORAÇÃO


Ira, tristeza e paixão
Destroem tempestade, geleira e vulcão
Já não há sanidade, estômago e pulmão
Maré que afoga o mais ícaro coração

Ilusões vasculares pelo ares do além
O vento vem de dentro
Rebento ao relento e harém
Fruto aquém do átomo

Manto: mar de mitos
Mitocôndria de quem?
Supernovas do passado
O tempo é a maior miragem da matéria

Não existe paraíso sem bactéria
O sentido da vida é sonhar

Ateu Poeta
30/05/2015

terça-feira, 26 de maio de 2015

MC LANCHE FELIZ

MC LANCHE FELIZ

Açúcar, fritura e sal
Um safári em Paris
Pressão lá no espaço-sideral
Esquecer o que diz

Colesterol rumo ao sol
Sonhar com atriz 
Entoar a canção do futebol 
Esculhambar o juiz

Obesidade mórbida
Orbitar exigências febris 
Álcool e cigarro na direção
Contratar meretriz

Viver não se resume em comer 
Um mc lanche feliz

Ateu Poeta
27/05/2015

PITBOY MODINHA

PITBOY MODINHA

Sou pitboy e só ando armado
Atiro mesmo para todo lado
Falo mal da democracia e até da presidente
Quero quebrar pau e também uns dentes

Embora eu tenha minha própria milícia
Sou muito minado e queridinho da polícia
Na rede social sou nacionalista
Porque a onda agora é ser fascista

Minha mente é a grande mídia, não tenho opinião
Só como caviar, nem conheço feijão
Minha cabeça de vento já virou balão
Já nem serve mais para fazer sabão

A meta da minha vida é pura alienação
Tomar o poder à bala, no pontapé e não mão
Eu acho que já basta de corrupção
Mas quero golpe militar, que complicação!

Se passar de vermelho eu meto a porrada
Tô na passeata. É minha a estrada!
Virou passarela, pura marmelada
Vai passar na T.V.. Ai, que coisa abençoada!

Nem sei o que é socialismo
Mas mando ir para Cuba se pensar em comunismo!
Vou bater panela se falar em anarquismo
Finjo que nem gosto do capitalismo

Quero ser um intelectual, mas sou regido por uma força astral
Só sigo mesmo um ritual
Penso ser uma pessoa normal
Porque eu sou banal, banana e boçal

Sou massa de manobra da direita e da elite
Nem entendo o que defendo, acredite
Mas, se deu ibope, segura a gastrite!
Vai passar na Globo. Isso é chique no limite!

Vejo com a Veja, escrevo com a Folha
O meu mundo não passa de uma mera bolha
Penso com o Estadão, até na contramão
Cobro da lei, mas eu não sigo não


Porque eu sou quase um militar
Minhas ideias absurdas eu mando estudar
Talvez você concorde só de ler
Não quero que ninguém acorde, mas todo mundo a temer

Por isso vou falar muito mal do PT
Eu não tenho nada melhor para fazer
Operação zelotes? Não sei o quê
O que importa é a lava-jato, que tem muito mais auê 

Acho que agora eu vou vaiar
Criar novas mentiras para alguém acreditar
Bater para tentar derrubar
Não importa depois o que virá

Não canso de sonhar com babaquice
É importante porque alguém me disse
Pode ser hipocrisia ou canalhice
Mas eu não sei nem quem é o vice

Ateu Poeta
26/05/2015

sexta-feira, 22 de maio de 2015

ÁGUA E FOGO

ÁGUA E FOGO

É preciso lutar contra tudo e contra todos para os tolos calar
Desarmar os inimigos, desabrigar
No seio do clã criar o cataclisma
Da febre terçã à mais vã fazer brisa

No frenesi do afã, no arfar da divisa
Nunca desanimar, e se enamorar da cisma
Ser água e fogo nesse jogo
De cartas marcadas

Desistir é mancada que não posso proferir
Passa a passo inferir mais um paço na jornada
Não parar por nada
Batucada enluarada no feliz feroz pandeiro

Eu não vivo por dinheiro
Mas pela arte que existe em toda parte

Ateu Poeta

22/05/2015

terça-feira, 19 de maio de 2015

VÍCIOS E VERSOS

VÍCIOS E VERSOS

Vice e versa
Vícios e versos
Verdes vertentes
Volantes voláteis

 Viva o vértice
Versátil, vago,
Vasto e volátil
Vagão de Varsóvia

Vermelhas vozes
Voltam a vagar
Volts, vórtices
Várias variáveis

Vi variações
Vaga-lumes vorazes

Ateu Poeta
19/05/2015

ARTISTA ATEU

O meu deus é a arte. E até nessa parte eu sou ateu.
Ateu Poeta

INVEJA NIETZSCHEANA

Quanto mais eu leio Nietzsche mais o invejo
Ateu Poeta​


"A necessidade de crer, a necessidade de um sim e de um não absolutos é sinal de fraqueza, e toda a fraqueza é uma fraqueza da vontade. O homem de fé, o crente é, necessariamente, de uma espécie inferior; disso resulta a liberdade de espírito, ou seja, a descrença instintiva: uma condição de grandeza." (Friedrich Nietzsche

PUPILAS DE TROVÃO

PUPILAS DE TROVÃO

Nitrogênio líquido
Água em pó
Sistema límbico
Há quem prefira o arigó

A orgânica nuclear faz de lar a adrenalina
Cada mente ascendente é um universo em expansão
A nitroglicerina adora o transtorno bipolar
Duas minas a pular nas suas pupilas de trovão

Explosão atômica é viagem só de ida
Arquitetônica ilusão bem no seio da ferida
Carbono puro para prover o verso e o inverso da vida
Guarida de nanotubo, diamante, grafite, fibra e carvão

No mundo de hoje existe tanta poluição
Que o mar amante já não tem mais coração

Ateu Poeta
19/05/2015

COLINAS DE SANGUE

http://ateupoeta.blogspot.com.br/2015/05/colinas-de-sangue.html
COLINAS DE SANGUE

Não adianta encobrir o sol
O anzol está na garganta
E o teu alarde não apaga a dor
Que arde em vão

Cada coração cora na cor do vil metal
A vida é um fino funil febril de cristal
Do outro lado está a morte
Com a sorte de não mais cantar

Tudo o que é próspero se esvai no ar
A primavera termina
Contamina de quimera a minha aliteração
Outra lira reverbera na imensidão

Quem será o próximo a partir?
Partilha, partida, pátria, pária, parto, porto, proferir

Ateu Poeta
19/05/2015

segunda-feira, 18 de maio de 2015

CONHECIMENTO

CONHECIMENTO

Conhecimento é um conjunto de informações cognitivo-sensoriais nas sinapses causando elasticidade cerebral por meio de impulsos eletrostáticos que criam representações referentes à realidade ou derivação abstrata (ficção) por loucura, antecipação ou variação, que, por sua vez, pode ser lúdica, acadêmica ou de precaução.


Ateu Poeta

sexta-feira, 15 de maio de 2015

OCASO SOMBRIO

http://ateupoeta.blogspot.com.br/2015/05/ocaso-sombrio.html
OCASO SOMBRIO

Hoje o dia amanheceu tão frio
Um ocaso sombrio mora em meu coração
Fera feroz ferida em febre no estio
Abraça-me o vazio da solidão

A vida é a lida de toda primavera
O inverno reverbera trova, trave e trovão
No verão em versos brotam mil quimeras
Outono que sopra o fogo do dragão

Amigos, paixões, companheiros de guerra
Contra o sistema do trema que explode, bate e berra
O leme muda o lema que não teme florescer
Que tremam as toscas trevas do alvorecer

A luz do luto jamais terá fim
Nenhuma lira alitera a lua, enfim

Ateu Poeta
15/05/2015

quarta-feira, 13 de maio de 2015

TEIA DO CAOS

TEIA DO CAOS

Poesia é teia tecida e trançada no caos
Ateia que ateia verdades ao vento
Represa que explode em afã
Jangada onde eclode a manhã

Guerra, febre e sangria
Nostalgia, dor e prazer
A luz do luar por lazer
Atelier em nau à deriva

Ciência sempre viva
Big-bang em primordial canção
Verve e verso em expansão
Consonância, alternância e paradoxo

Revolução versus ortodoxo
Moda nova e démodé

Ateu Poeta
13/05/2015

segunda-feira, 11 de maio de 2015

LITEIRA ALITERÁRIA

LITEIRA ALITERÁRIA

Somos seres simbióticos 
Bestas artificiais
Liteiras de liras aliterárias
Os lírios aliteram a linha desse jogo

A vã verve reverbera
E a violência vende mais
Lava de beber
Água de fogo

A alienação é sedutora
Greve grave, gravura
Estrutura do poder: doce sepultura
Burbom de neon, bóbus bobo

O dia é da caça
Mas a noite é do lobo

Ateu Poeta
12/05/2015

quinta-feira, 7 de maio de 2015

ASAS HERMÉTICAS

ASAS HERMÉTICAS

Com delta ou sem delta
Deus não existe
Acredite mais em você
Não vê como é triste

Ser iludido pra sobreviver?
Somente o instante existe
Todo o resto é contradição
Escute o grito de guerra

Que emana no seu coração
O inerte será dominado
Aliado no jogo do poder
Então, esteja preparado

Pois a razão irá perecer
Não adianta ira ou reza
O combate nunca vai acabar
A única dúvida que resta

É saber de lado ficar
Você deseja se libertar
Não enxerga que a vida é prisão
A liberdade é mero aforismo

Prisma no seio da canção
Pois ela só existe
No elo eletrostático
Duelo catedrático da percepção

Naquilo que chamamos de mente
Nos filamentos de cada estação
Cérebro misterioso
Herméticas asas do saber

Faz brotas sobre a Terra
Tudo que faz fenecer
Por isso o bom aqui jaz
Um doce tom sempre estará a dizer

Ateu Poeta
07/05/2015

quarta-feira, 6 de maio de 2015

ZUMBI FORA DA LISTA

ZUMBI FORA DA LISTA

Ontem cozinhei sem receita e criei outra coisa
Desregrado, nado sem saber nadar
Crio para me libertar
Quebrando normas

Norma não gosta da normalista
Regras, deixo-as pra outro dia
Pra quando eu estiver afim
A liberdade é a minha lei

Hei de achá-la, caso exista
Talvez, até desista, mas não agora
A hora não é boa pra parar
Ora essa!

Estou com pressa de achar
O que talvez nem exista, mas me guia
Guria, voltarei, quem sabe
Sem dia certo

Com a certeza que fiz o que devia
Mas, sei lá, continuarei a ser eu mesmo
Aquele que não aceita regras
Por fortaleza ou por entrega

A uma mera ideologia
Sou mais um zumbi que se rebela
E reverbera fora da lista
Para longe da hipocrisia

ATEU POETA
Pacoti-CE

segunda-feira, 4 de maio de 2015

DEUSES VERSOS ANCESTRAIS

DEUSES VERSOS ANCESTRAIS 

Nas coisas mais simples imperam os amperes da complexidade
Como a pata que tendo duas patas
É uma progressão aritmética homônima fractal
Fatores extensores primordiais de Ogum

Xogum de algum inferno astral
O homem inventa deuses e esquece os próprios ancestrais
Na neve a verde verve vive e em versos reverbera
A minha mente escrava tem um coração livre

Universo convexo pelo inverso templo da desconversão
Contraste no contralto da contracultura em concreta contração
Movimento lítero-musical remove montanhas 
Intolerância fisicultural patológica

Overdose de amora quimioterápica
Mera quimera antológica homeopática

Ateu Poeta
04/05/2015

ESTRIBILHOS DE FUZIL

ESTRIBILHOS DE FUZIL

Todo tipo de loucura trai, assanha, tortura
E sempre tenta te dominar
A ilusão é o refrão mais forte do vício
Tétrico, triste e trágico

Vi torcedores que não sabem ganhar
É preciso lutar contra o fundamentalismo no teu coração
É duro escapar das amarras da convicção
A fixação é vírus que se espalha e estraçalha o fio da razão

Deixa frágil e febril o brilho de abril
 Brios de bombas, balas e brioches
Boliche em Bariloche
Estribilhos de fuzil

Professores em protestos no seio do Brasil
Não se rendem às correntes de sal, nem à chuva sangue no estio

Ateu Poeta
04/05/2015
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.